Pílula do dia seguinte: Autoconhecimento nas situações de emergência

Trago hoje uma postagem informativa escrita a duas cabeças e quatro mãos! Sim, teremos postagens escritas em dupla também.

Conheci a Priscila @Pris.moon pelo meu perfil @VulvaPolítica no Instagram. Ela estava querendo se dedicar mais ao Método de Percepção de Fertilidade e me pediu algumas dicas e orientações. Viramos amigas e compartilhamos muito desde então.

Dias passados ela me contou sobre a experiência que ela teve com a Pílula do Dia Seguinte – PDS. Desde o início fiquei surpresa em como a Priscila falou da importância de ter autoconhecimento, saber sobre o seu ciclo menstrual para fazer o melhor uso possível desse recurso.

Recurso. A pílula do dia seguinte não é um método contraceptivo. Como o nome formal já diz é uma Anticoncepção de emergência. O que significa que ela é um recurso a ser utilizado em situações excepcionais.

Quem acompanha o perfil sabe que meu foco é (e sempre será) métodos não-hormonais e/ou naturais de contracepção e que defendo o uso de preservativo fortemente mas também acredito ser bem tido que inúmeras situações podem acontecer e que devemos utilizar de forma consciente outros métodos disponíveis para que a chance de uma gravidez indesejada ou não planejada seja bastante diminuída.

A PDS, para mim, é isso. Um recurso para que não tenhamos que lidar com uma gravidez não querida em um país que criminaliza o aborto, que tem tantas posturas misóginas e que a maternidade compulsória é uma realidade.

Leiam o depoimento da Priscila:

“Fiz uma enquete uns dias atrás perguntando para as migas se elas confiaram na Pílula do Dia Seguinte quando tomaram ou ficaram desconfiadas acreditando na possível falha e todas disseram que ficaram desconfiadas ou na neura. Sendo assim resolvi compartilhar minha experiência recente com o uso da PDS.

Há cerca de 2 meses atrás decidi que ia dar um passo e me observar completamente dentro da Ginecologia natural, com o método de percepção de fertilidade fazendo diariamente o autoexame para conhecer quando estou ou não fértil. Para mim começou com uma questão de saúde, autoconhecimento e prevenção mas acabou sendo muito mais que isso.

Há 1 ano e meio eu já vinha mapeando meu ciclo e já conheço meus dias de menstruação e tinha uma base da ovulação, com o autoexame só vieram as certezas. Sendo assim, sabia que havia um risco pois minha ovulação já estava pré-vista para uns dias após o dia em que tive a relação desprotegida.

Por uma escolha e razões minhas, eu não tomo anticoncepcional, e tomar uma PDS também sempre é minha última opção, mas por sentir que precisava desse auxílio eu escolhi que era o melhor naquele momento. Antes de tomar logo já bateu a neura, será que vai fazer efeito? Posso confiar? Quais são as taxas e o risco de falha? Onde está a falha?

Então comecei a procurar em vários sites na internet respostas para as minhas perguntas, e não é que achei?

Bom aí vai uma informação valiosa: Para o efeito da PDS ter eficácia, é preciso tomar antes de ocorrer a ovulação pois o medicamento só age de forma eficaz se não tiver tido a ovulação, ou estiver a poucos dias de ocorrer. Por quê? Porque ela inibe ou atrasa a ovulação! Fazendo assim com que o espermatozoide não consiga fecundar, não consiga sobreviver a tempo de ocorrer o encontro do óvulo.

Caso já tenha acontecido a fecundação ele não tem efeito algum.

Então tá, mas como vou saber se estou fértil ou não? Simples migas, se conhecendo, conhecendo o ciclo menstrual de vocês, pode parecer loucura e um tanto trabalhoso mas para fazermos as melhores escolhas para nós e de forma consciente precisamos ter um conhecimento, tanto de nossos corpos como do método que iremos optar.

Para mim, tomar qualquer remédio que seja de hormônio sintético e desregule nosso ciclo natural, não faz sentido porque aliás ele oferece grande risco a saúde da mulher e tem falhas como qualquer método, nenhum método é 100% eficaz. Todos oferecem riscos, uns maiores outros menores, mas oferecem.

É importante saber dessa informação até para não tomarmos de forma inadequada e sem precisão, uma bomba hormonal no organismo! Muita mana toma sem necessidade apenas por medo mas muitas vezes nem está fértil, ou perto de ficar fértil (sim temos momentos no ciclo que estamos inférteis) e sem saber disso muitas de nós toma a PDS e logo fica desconfiada da sua possível falha sem saber o porquê de ela poder ocorrer.

Geralmente não somos informadas sobre isso, e logo recorremos ao que parecer ser mais fácil no momento.

A Pílula do dia seguinte pode sim auxiliar caso necessário, mas também não é algo para tomar habitualmente, aliás ela é um contraceptivo de emergência. Por conter praticamente a mesma quantidade de meia cartela dos anticoncepcionais ingerido em uma única ou duas doses. O uso deixa o nosso organismo confuso com o que fazer com tudo isso e desregula algumas funções sendo normal a menstruação adiantar ou atrasar em até 40 dias.

Outra reação da PDS é aumentar nosso muco cervical. Eu vi esse aumento no autoexame que fiz e pelo acompanhamento dias depois de tomar. Meu muco engrossou, dobrou de quantidade. E é super normal, pois é um mecanismo que dificulta a movimentação do espermatozoide. Ela também pode causar enjoos, dores nos seios, dores de cabeça, dor abdominal, desregulação da menstruação, diarreias, e em caso de vômitos após a ingestão da pílula recomenda-se tomar novamente.

Sabendo a janela de fertilidade, e tomando em até 72hrs, sua eficácia é grande. Lembrando também que quanto mais horas demorar para tomar, mais vai caindo sua taxa de eficácia. A PDS pode sim, portanto, nos auxiliar em momentos de urgência em caso do preservativo estourar, penetração vaginal sem camisinha em dias de risco, falha no uso com anticoncepcional, injeções, diafragma que saiu do lugar, ou DIU que saiu acidentalmente.

Mas é importantíssimo reconhecer o ciclo menstrual enquanto usar desse método, e saber sua possíveis falhas, para assim ser usada no momento correto e de forma correta.

E então fazermos escolhas mais conscientes e que não prejudiquem nosso corpitcho. Conhecer o funcionamento do próprio corpo e ter acesso a informação e escolha empoderam.”

Priscila. 09/2018

Perceberam o mesmo que eu? Quantas de nós já tomou a PDS sem ao menos saber que estava em um momento de risco? Quantas de nós não passamos pelos seus malefícios sem ao menos ser necessário?

Quando tomamos consciência do funcionamento do nosso corpo, as dúvidas e preocupações vão desaparecendo. Você tem o controle da situação e pode buscar por uma redução de danos.

A redução de danos diante de uma relação sexual consensual desprotegida de uma mulher que rastreia o seu ciclo é muito mais tranquila do que a que não rastreia… Eu não tenho dúvidas! Auxilia muito na questão do: Devo tomar a PDS, sim ou não?

Eu digo muito confiante que meu método contraceptivo é o Método de Sinais de Fertilidade porque é uma observação diária do meu corpo diante do autoestudo, pelas anotações e verificações diversas. Então meu adendo seria na importância também de realizar testes de ISTs – Infecções Sexualmente Transmissíveis e buscar orientação nos CTA – Centro de Testagem e Aconselhamento dentro dessa redução de danos após uma relação desprotegida não tratando aqui somente da gravidez não planejada mas também da importância de cuidar da nossa saúde como um todo.

Recomendo muito a leitura do material Anticoncepção de Emergência. Perguntas e respostas para profissionais da saúde disponibilizado pelo Ministério da Saúde em 2005.

Vejam o que o material traz quanto ao funcionamento da PDS:

*AE é anticoncepção de emergência.

“Embora se acumulem investigações científicas sobre o tema, o conhecimento das mulheres e dos profissionais de saúde ainda é relativamente escasso. Isso colabora para que persistam diversas dúvidas, principalmente, sobre um suposto “efeito abortivo”. Portanto, o esclarecimento dos efeitos anticonceptivos da AE é fundamental. Nesse sentido, é preciso recordar que uma relação sexual só resulta em gravidez se ela acontecer no dia da ovulação ou nos cinco dias que a precedem. Este período de fertilidade, de seis dias, varia para cada ciclo e para cada mulher, decorrente da possibilidade de a ovulação ocorrer tão cedo como no 10° dia do ciclo menstrual, ou tão tardiamente quanto no 23° dia. Os espermatozoides, por sua vez, precisam esperar entre um e cinco dias no trato genital feminino até que se produza a ovulação. E é exatamente nesse espaço de tempo que a AE atua. Entretanto, o mecanismo de ação principal da AE varia bastante conforme o momento do ciclo menstrual em que a AE é administrada. Assim, se utilizada na primeira fase do ciclo menstrual, antes do pico do hormônio luteinizante (LH), a AE altera o desenvolvimento dos folículos, impedindo a ovulação ou retardando por vários dias. A ovulação pode ser impedida ou retardada em quase 85% dos casos e, nessas circunstâncias, os espermatozoides não terão qualquer oportunidade de contato com o óvulo. No entanto, se a AE for administrada muito próxima do momento da rotura folicular ela terá pouca capacidade de impedir ou postergar a ovulação, o que pode explicar grande parte dos casos de falha do método. Quando administrada na segunda fase do ciclo menstrual, depois de ocorrida a ovulação, a AE atua por outros mecanismos. Nesse caso, a AE modifica a viscosidade do muco cervical, tornando-o espesso e hostil, impedindo ou dificultando a movimentação e deslocamento dos espermatozoides desde o colo do útero até as trompas, em direção ao óvulo. Este efeito demonstrável sobre o processo de migração sustentada dos espermatozoides reduz significativamente a probabilidade de fecundação nos casos em que a AE não foi capaz de inibir a ovulação.”

Novamente: Rastrear o ciclo menstrual é importantíssimo! Já falei bastante sobre na Vulva Política e começarei a postar com mais regularidade aqui no blog. A última postagem por aqui foi sobre o muco cervical e como identificar a nossa fertilidade e também já tivemos uma apresentação ao método natural de contracepção pelos sinais do nosso corpo.

Busquem informação de qualidade! Busquem se autoconhecer. Adquirir essa consciência além de ser lindo e empoderador, é uma segurança!

Espero que vocês tenham gostado e que compartilhem essas informações com as mulheres que façam parte da sua vida.

Beijos,

Bia e Priscila.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: