169 | Angela Davis: Racismo, controle populacional e direitos reprodutivos

Angela Davis no capítulo Racismo, controle de natalidade e direitos reprodutivos cita a Margaret Sanger, feminista, idealizadora do anticoncepcional
.
Davis traz que Sanger por sua experiência como enfermeira popular jurou lutar pelo acesso a contraceptivos e era compromissada com a causa anticapitalista. Tempos depois, entretanto, cortou laços e começou a defender o controle de natalidade pelo abraçar da ideologia racista e eugênica
.
Esse capítulo fala das esterilizações compulsórias e abortos mas o nome da Sanger me fez querer trazer também o histórico antiético do AC que foi desenvolvido nos EUA mas testado em mulheres porto riquenhas pelo isolamento do país, a grande densidade populacional e por não ter nenhuma legislação a respeito
.
No nosso também país periférico, o surgimento do contraceptivo nos anos 60 ocorreu ao mesmo tempo das políticas de controle populacional neomalthusianas (que foram abraçadas até em alguns círculos socialistas) defendendo que populações numerosas não trariam desenvolvimento na região
.
Nessa época, as organizações de mulheres já levantavam preocupações em se ter acesso a contraceptivos como forma de ter poder sobre a própria capacidade reprodutiva, entretanto, essas políticas trazidas dos países centrais não demonstravam foco na garantia de saúde e decisão das mulheres, muito menos das mulheres não brancas e pobres
.
Nos dias atuais, tivemos caso de esterilização compulsória no Brasil e não é isolado. Nos EUA, testaram implante de AC de longa duração em presas prometendo redução da pena
.
“São situações persistentes”, eu pensava abalada mas dessa vez, essa borboleta veio e me arrancou sorrisos. Interpretei que é preciso lutar pela transformação desse mundo sim mas eu preciso ver beleza na vida para poder contribuir
.
Desde o início inúmeras são as denúncias envolvendo a linha tênue entre controle de natalidade e controle populacional. Exige muita reflexão, cuidado, pensamento crítico e engajado nosso! E é por isso que o conceito de Justiça reprodutiva é tão importante pois se trata de Justiça social. É preciso ir além
.
Obrigada Davis, obrigada borboleta ♡

Acompanhe os comentários na postagem do Instagram clicando aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: